Remédios: O que você precisa saber sobre o tratamento de varizes com espuma densa

Posted on

um material estranho nas veias e nem todo mundo pode fazer o tratamento

Podemos expor nossos pacientes em tratamento da doença varicosa dos membros inferiores a esse tipo de risco? A escleroterapia com espuma densa é um tipo de tratamento que elimina completamente as varizes e os pequenos vasinhos. A técnica consiste em aplicar uma substância esclerosante chamada Poidocanol, em forma de espuma, diretamente nas varizes, até que estas desapareçam. A escleroterapia com espuma é eficaz nas microvarizes e varizes de até 2 mm, eliminado-as completamente. Nas varizes de maior calibre, este tratamento pode não dar o melhor resultado, mas é capaz de diminuir o seu tamanho, sendo necessária mais de 1 aplicação na mesma variz. – Sim, o procedimento de secagem – escleroterapia – feito em consultório daria cabo da mais feiosa de todas as varizes do meu corpo e ainda de outras mini feiurinhas. Como a resposta foi sim, fizemos a primeira aplicação para secar a mais feia e suas primas mini-feiurinhas (que não viraram foto, desculpem, só dava pra ver muito de perto). Como qualquer tratamento invasivo, a escleroterapia não é isenta de riscos. Neste tratamento o Médico injecta uma substância no interior de varizes de pequena grossura, usando uma agulha muito fina.

Se algum médico indicou uma cirurgia de varizes para você, não se assuste, é muito mais simples do que você imagina!

  • Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, 2013
  • Cleveland Clinic, Julho de 2011
  • University Of California, Dermatologic Surgery and Laser Center

Há alguns anos tem-se utilizado escleroterapia (aplicação) em veias varicosas com o uso de Espuma densa.

O objetivo do Dr. Tessari era produzir um esclerosante que fosse mais eficaz, tratando as varizes de forma simples, barata e sem cirurgia. Quando está indicada a Esclerose com Espuma? Esta técnica está indicada para o tratamento de Varizes e de telangiectasias (vasinhos). Geralmente indicamos o uso de Espuma para o tratamento de pacientes com contra indicações clínicas para realização de cirurgia, ou seja, pacientes de alto risco. Agora todos pensam : Se eu posso fazer o tratamento com espuma, não preciso mais de cirurgia, que maravilha!!!!! Infelizmente, não é bem assim, como todo tratamento há riscos e benefícios. Ele pode ser realizado no próprio consultório do médico Cirurgião Vascular , e não requer os cuidados que uma cirurgia de varizes necessita. Porém, a efetividade do tratamento para varizes com espuma não é tão boa quanto à cirurgia. Há possibilidade do tratamento não dar certo em cerca de 16% dos casos, devido a recanalização do vaso esclerosado ( quando a veia volta a circular).

O tratamento das varizes com espuma é uma opção à realização de cirurgia, o uso de esclerosantes em forma de espuma tem se popularizado nos últimos anos.

Além disso, o tratamento das varizes com espuma pode levar a complicações como trombose venosa profunda, embolia pulmonar, flebites, manchas escuras na pele e feridas.

Um tratamento que ganhou destaque nos últimos meses é a escleroterapia ecoguiada, ou injeção de espuma densa. E se a má notícia é o número de pessoas com varizes, o bom é que novos tratamentos prometem resultados eficazes e com menos riscos. O estímulo doloroso sentido durante as sessões de aplicação de vasinhos depende de 4 fatores básicos: Na minha experiência como cirurgião vascular, os dois componentes mais importantes são os primeiros. Um aspecto importante que deve ser sempre lembrado em relação às varizes e aos vasinhos é que o tratamento não os cura, mas os controla. A glicose é um esclerosante que quando usado na aplicação de vasinhos causa uma irritação e desidrata as células da parede interna da veia levando a obstrução. Já a espuma é produzida pela transformação de uma substância detergente (quimicamente falando) líquida em um mousse quando agitada com ar através de duas seringas. A melhor aplicação para a espuma é o tratamento de veias de maior calibre, mas também pode ser usada na aplicação de vasinhos. Em casos mais graves, vasinhos muito dilatados e que não são tratados podem até sangrar e levar a formação de úlceras venosas. Como qualquer tratamento, a espuma tem seus riscos e benefícios.

O Laser pode ser usado para tratar quase todos os estágios de varizes, desde o tratamento de vasinhos (telangiectasias) até para a ablação da veia safena.

O tratamento para varizes com espuma é um tipo de escleroterapia.

O tratamento com espuma de polidocanol está indicado principalmente para as varizes e veias reticulares. Para que operar se você pode apenas injetar uma espuma no interior da veia e está tudo resolvido! Porém, como todo tratamento, a espuma tem seus problemas. Ele pode ser realizado no próprio consultório do médico Cirurgião Vascular sob anestesia local, e não requer os cuidados que uma cirurgia de varizes necessita. Porém, a efetividade do tratamento para varizes com espuma não é tão boa quanto à cirurgia, seja a cirurgia tradicional ou os métodos mais recentes como laser e radiofrequência. Além disso, o tratamento das varizes com espuma pode levar a complicações como , embolia pulmonar, flebites, manchas escuras na pele e feridas. A espuma também pode ser utilizada para tratamentos estéticos, como na escleroterapia das veias reticulares e telangiectasias, os famosos “vasinhos”. Conclusão: o tratamento com espuma para varizes é uma boa opção, mas precisa ser bem indicada. Se está à procura de opções de tratamento para varizes, uma das opções mais eficazes é a escleroterapia.

Qual o melhor tratamento para varizes: laser, espuma ou cirurgia?

Um dos tipos de escleroterapia é o tratamento com espuma densa.

Conheça melhor este tratamento, e ainda, os riscos da escleroterapia com espuma densa. Repórter Varizes são veias dilatadas que não cumprem mais a função de transportar o sangue das pernas para o coração. Porém, o médico que para tratar esteticamente as micro-varizes é preciso ter cautela, pois há o risco de manchar a pele. O angiologista esclarece ainda ser a escleroterapia com espuma é um procedimento que pode ser feito várias vezes. “Por isso que não divulgávamos tanto essa técnica para tratar as varizes. Focada em terminar com os vasinhos que assombram a vida de muitas pessoas, o tratamento de escleroterapia com glicose é um dos mais utilizados. A escleroterapia com glicose é um dos tratamentos mais antigos e bem aceitos no meio médico para o tratamento das varizes e dos vasinhos. Muitas pessoas tendem a tratar as varizes com um tipo de negligência, pois não sabem que a falta de cuidado com esses pequenos vasinhos pode vir a causar trombose. E se, mesmo assim, você não se convencer a operar suas varizes, mostrarei alguns à cirurgia.

Escleroterapia com Espuma Densa para tratamento de Varizes

Morrer durante uma cirurgia de varizes é muito , porém, no Brasil, esse receio é disseminado especialmente devido a um caso que ficou muito famoso na década de 80.

Fiz um levantamento de 27 estudos que existem publicados sobre pacientes que foram submetidos a cirurgia de varizes dos mais variados tipos,somando mais de 10.000 pacientes estudados. Era um estudo sobre cirurgia em paciente que já haviam retirado a safena e apresentaram novas varizes na região da virilha (os vasculares chamam isso de ). Existem 15 casos de relatados em toda a história da cirurgia vascular devido a complicações de cirurgia de varizes. O risco de se ter uma por causa de uma cirurgia de varizes varia entre 0,5 e 1% nos estudos. (saiba mais sobre este estudo - (1,3 a 16,5%) : ocorre quando há a lesão dos minúsculos que se encontram próximos às veias varicosas retiradas. Quando fazemos a cirurgia de varizes, retiramos apenas as veias que estão varicosas. O cirurgião vascular pode considerar que vale a pena iniciar o tratamento com medicamentos , para evitar que ocorra uma trombose. Uma das formas de diminuir o aparecimento das equimoses e hematomas após a cirurgia de varizes é o uso correto das prescritas pelo cirurgião vascular. O risco de morrer em decorrência desse tipo de cirurgia é praticamente zero e o risco de complicações maiores como amputações e tromboses também é bastante pequeno.

Benefícios e riscos da espuma para o tratamento das varizes

Outras complicações menores como infecção da cicatriz, flebites e machas roxas ocorrem com mais frequência, mas são de tratamento simples e existem formas de diminuir o seu aparecimento.

Uma vez formado um pequeno trombo numa veia, este pode iniciar o processo de inflamação, a qual leva à formação de mais trombos. Frequentemente, a lentificação do fluxo de sangue ou estase nas veias da perna, aumentam o risco de TVP. Algumas causas específicas de TVP incluem: Embora seja verdade que os voos de avião podem aumentar o risco de TVP, isto raramente ocorre. A Clínica Angiomedi oferece o que há de mais moderno e eficaz no tratamento de varizes, aneurismas de aorta abdominal e úlceras de pernas e pés diabéticos. Riscos Qualquer medicamento pode provocar alergia/choque anafilático, principalmente se injetado por via endovenosa. Como o líquido esclerosante é injetado dentro da veia e cai na corrente sanguínea, há sempre esse risco. Mas com a utilização da glicose 75%, que é um líquido natural e muito viscoso, esses riscos são raros. Cuidados: Evite a exposição ao sol por uns 15 dias logo após a aplicação, para que não ocorram manchas escuras (hipercromia) no trajeto da variz em tratamento. Varizes são vasos dilatados que dificultam a circulação do sangue e são mais frequentes em pessoas acima dos 40 anos e em mulheres.

O que você precisa saber sobre o tratamento de varizes com espuma densa

As telangiectasia não apresentam riscos à saúde, pois impedem apenas a circulação sanguínea local, não necessitando de uma remoção.

As veias tornam-se mais salientes e interferem em toda a circulação da perna, colocando a saúde em risco e podendo causar hemorragias no estado avançado. Há ainda as injeções de medicamentos, conhecidas por Escleroterapia e esclerose com espuma; a microcirurgia e a cirurgia. A escolha para o tratamento depende das veias atingidas, e apenas um cirurgião vascular pode indicar o melhor método. A escleroterapia é um procedimento médico utilizado para o tratamento de veias varicosas e as chamadas “aranhas vasculares”. É muitas vezes considerada como o tratamento primário para pequenas varizes (microvarizes). Alguns médicos utilizam uma versão da solução em espuma, sobretudo para varizes maiores. Pode ser usado no tratamento das varicoses (“vasinhos”) através da injeção direta nestes vasos. Em contato com a parede interna do vaso a espuma causa uma contração da mesma, lesando a veia com uma tromboflebite química e a fechando. Benefícios e Riscos da Espuma para o Tratamento das Varizes Você deve estar pensando: Nossa, que maravilha! Ele pode ser realizado no próprio consultório do Cirurgião Vascular sob anestesia local, e não requer os cuidados que uma cirurgia de varizes necessita. Porém, a efetividade do tratamento das varizes com espuma, não é tão boa quanto à cirurgia, seja a cirurgia tradicional ou os métodos mais recentes como Laser e Radiofrequência. O risco das varizes voltarem no tratamento com espuma é quase 3 vezes maior que nos tratamentos cirúrgicos a Laser ou Convencional. Além disso, o tratamento das varizes com espuma pode levar a complicações como flebites, trombose venosa profunda, embolia pulmonar, manchas escuras na pele e feridas. Sendo assim, a recomendação é que o tratamento para varizes com espuma seja realizado quando o paciente não pode operar, não quer operar ou se a cirurgia não está disponível. Esse tratamento vem sendo realizado com grande sucesso nas úlceras varicosas e varizes que já apresentaram complicações, onde a principal indicação não é o tratamento estético. Últimamente tem-se falado muito da espuma como tratamento das varizes e vasinhos. A espuma de polidocanol foi, no início estudada como anestésico, porém demonstrou-se mais eficaz em fechar veias do que para anestesiar. Todas as técnicas tem seu espaço no tratamento das varizes, simplesmente porque nenhuma delas atingiu excelência em todos os quesitos: preço, eficácia, eficiência, segurança, velocidade, invasividade, recorrência, riscos, etc.